Filipenses é uma das cartas mais informais de Paulo. Com esta igreja, ele não sentiu a necessidade de afirmar sua autoridade apostólica. Seu amor transbordante por eles é óbvio. Ele até permitiu que lhe enviassem dinheiro, o que era muito incomum para ele. A alegria no sofrimento é o tema dominante desta carta. Paulo está preso, mas ele usa o termo para alegria (substantivo e verbo) mais de dezesseis vezes. Sua paz e esperança não se baseavam nas circunstâncias, mas em conhecer a Cristo (3:10) e buscar esse prêmio como sua maior ambição. Tudo era esterco em comparação com esse objetivo (3: 8). A abordagem do autor para esta série de comentários é devocional com muita aplicação prática.